Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ohhmaeee...

Eu, nós, eles, e o mundo à nossa volta.

Ohhmaeee...

Eu, nós, eles, e o mundo à nossa volta.

07
Jun21

Atender ao público

Mãede2

Este é um tema para mim um pouco controverso. É algo em que trabalho há já alguns anos, pouco mais de 20, e tem tido tanto de prazeroso como de esgotante!
Sempre gostei de atender, ajudar, fazer de tudo para ter um cliente satisfeito. Claro que há dias em que não tenho paciência, que não me apetece falar ou ouvir ninguém. Em que é um martírio estar do outro lado do balcão. Ultimamente esses dias têm sido mais frequentes... Penso que todos temos alturas assim. No entanto temos sempre de manter o sorriso no rosto e continuar a fazer de tudo para que aquele cliente não se sinta influenciado pelo nosso mau humor. É muitas vezes difícil gerir os nossos sentimentos quando temos muitas vezes de atender clientes mais complicados numa sociedade em que estes ainda seguem o conceito de que "o cliente tem sempre razão"! Não, o cliente não tem sempre razão. Mas isso já é tema para uma outra altura. 
Há também os dias em que estamos super bem dispostos, adoramos o que fazemos, e oferecemos o sorriso mais caloroso que existe de cada vez que alguém entra pela porta, mesmo quando quem entra vem já com 7 pedras na mão. Para nós há sempre uma solução!
Neste tipo de trabalho ajuda imenso quando temos colegas com quem seja agradável trabalhar. Uma boa equipa faz sempre uma excelente casa e se nos dermos bem com quem estivermos a trabalhar é meio caminho andado para o sucesso. Para além de significar harmonia no trabalho. Sendo que é o lugar onde passamos a maior parte do nosso dia mais do que nas nossas próprias casas e com as nossas familias, é, pelo menos a meu ver, muito importante (senão o mais importante) que nos sintamos bem com quem trabalhamos.
Darmo-nos bem e confiarmos nos nossos colegas de trabalho faz com que essas horas passem mais depressa e com menos dificuldade, torna-se tudo muito mais fácil. Apoiarmo-nos e protegermo-nos deve ser prioritário a querermos ficar nas boas graças dos patrões. Devemos poder contar com a nossa equipa do nosso lado pois esta acaba, no final de contas, por ser como uma segunda família!